KRAFT – Father of the Insulin Assay
14
September

By Adem Lewis / in , , , , , , , , , , , , , /


KRAFT
O pai da curva insulinêmica – “O dano começa antes da hiperglicemia”
– Correto. Antes de conversarmos pessoalmente com o Dr. Kraft,
vamos sumarizar a incrível história de seu trabalho em 5 minutos a qual foi desrita por alguns como sem precedentes
na medicina – e assim é. Completando 95 anos este mês (07/2015), ele publicou um livro
de profunda importância para o mundo explicando como você e seus entes queridos podem evitar
de fazer parte da epidemia de diabetes tipo 2, que praticamente está levando por si só à
toda doença cardíaca no mundo moderno. Ainda acredita-se que o diabetes tipo 2 seja uma doença
caracterizada por glicose elevada no sangue, mas isso absolutamente não é verdade. A verdadeira causa do diabetes tipo 2 tem suas origens
em níveis elevados de insulina e resistência insulínica, as quais devem ser verificadas para diagnosticar e
corrigir o diabetes em seu estágio inicial. Vamos dar uma olhada na estratégia de Kraft para
diabetes e doença cardíaca e como evitar desenvolvê-las. É crucial o diagnóstico do diabetes. Se não puder ser medido, como
é possível tomar medidas para corrigi-lo? Primeiro, temos o exame comum de glicose em jejum, no qual se
jejua durante a noite e então colhe-se sangue. Esse é um exame muito ineficaz para diabetes. Cerca de 90% das pessoas com resultado positivo pelo exame aproriado
de Kraft, não apresentaram alterações neste. Portanto, a maioria não é detectada. Quando a glicose em jejum estiver descontrolada,
é porque você já estava diabético há muito tempo. Aqui vemos o não tão comum
exame de tolerância à glicose. Você poderá ser submetido a esse
se o de jejum tiver sido positivo. Neste você bebe uma quantidade
específica de glicose e então a glicose no sangue
é verificada em intervalos regulares Este é mais útil do que o exame em jejum, mas mais da metade das pessoas com resultado positivo
no exame de Kraft não tiveram problemas com este. Esse exame dá negativo para a
maioria das pessoas. Quando a sua tolerância à glicose está descontrolada,
significa que você já estava diabético há muito tempo. Aqui temos o exame the Kraft, o único que devidamente
diagnostica o estado de hiperinsulinemia em diabetes. Similarmente ao exame de tolerância à glicose,
inicia-se bebendo 100 g de glicose, mas crucialmente mede-se a INSULINA sérica
ao longo do tempo, o que resulta em extrema precisão para
identificar diabetes. Este é o exame que mostra se você tem sido exposto
à doença cardíaca e às muitas outras doenças relacionadas à hiperisulinemia. Este é um diagnóstico para diabetes adequado. Vamos dar uma olhada nos padrões de respostas
insulínicas que podem ser obtidos pelo exame de Kraft. O padrão 1 mostrado aqui é uma resposta saudável,
com uma resposta insulínica ligeiramente baixa à glicose. Kraft chamou esse padrão de euinsulinemia ou
verdadeiramente não-diabético. Suas artérias estão fora de perigo
e suas chances de doença estão minimizadas. Em segundo lugar, temos o padrão 2 com uma resposta
distintivamente mais alta à glicose Isto é hiperinsulinemia, ou verdadeiramente
diabetes in situ. Suas artérias estão em risco e a probabilidade
de doenças crônicas está aumentando. O padrão 3 é similar: hiperinsulinemia que essencialmente é diabetes,
ou diabetes in situ. Você tem uma alta resposta insulínica,
com uma queda lenta. Suas artérias estão inflamadas, e as muitas doenças crônicas associadas ao
diabetes estão lhe aguardando. O padrão 4 é uma resposta insulínica muito alta,
com uma queda dramaticamente lenta. Este também é hiperinsulinemia,
ou diabetes in situ, e aqui suas artérias estão realmente em chamas,
as doenças crônicas já se instalaram. Então aqui temos uma clara
e inequívoca resposta saudável ao mais importante exame de
saúde que você pode fazer e três de presença
inconfundível de doença. Kraft testou 14.384 pessoas dessa
maneira ao longo de 30 anos. Então qual a proporção de pacientes com
resultados normais de glicose estavam na verdade diabéticos
de acordo com o seu exame correto? A resposta é:
mais de 75%! Essas pessoas tinham resultados normais
de glicose, mas elas não estavam normais. Elas estavam diabéticas. Kraft também teve uma carreira
extraordinária em patologia e encerraremos a introdução com as conclusões
de suas investigações em mais de 3.000 autópsias pessoalmente conduzidas por ele. Primeiramente, o dano do diabetes é
vascular, ou arterial. Deve-se presumir que qualquer pessoa
com esse tipo de dano seja diabética, exceto se o exame de curva insulinêmica de Kraft
der negativo, com padrão de resposta 1. Em segundo lugar, o dano vascular inicia ANTES que o exame de glicose esteja
acentuadamente elevado. Aqui, Kraft evoca o trabalho do
patologista Kimmelstiel, que claramente identificou dano vascular
renal por hiperinsulinemia ANTES que os pacientes tivessem níveis de glicose elevados. A Doença de Kimmelstiel-Wilson é
aceita como diagnóstico de diabetes. Na verdade, é a única patologia classificada
como sendo típica de diabetes. Por fim, o diabetes leva doença a
todas as artérias. Desde os principais vasos coronarianos
até os minúsculos capilares da retina, por toda parte. Oftalmologistas podem efetivamente
diagnosticar diabetes através dessa lesão antes que as pessoas apresesentem
glicose elevada. Além disso, Kraft identificou
lesões nos capilares do septo IV do coração, onde o ritmo do coração é controlado
e mantido. Ele propõe que esse também é um
dos locais que a hiperinsulinemia afeta e mata através da arritmia que leva milhões de
pessoas à morte cardíaca súbita. Agora iremos encontrar este grande homem
e discutir o trabalho de sua vida, mas encerraremos com uma
profunda declaração sua à qual milhões devem prestar atenção: “Aqueles com doença cardiovascular
que não foram identificados com diabetes… simplesmente não foram diagnosticados.” Espero que vocês apreciem nossa conversa
tanto quanto eu apreciei, e espero que adquiram seu livro
na Amazon. Vocês e seus entes queridos
vão se beneficiar muito com o conhecimento. Obrigado. Estou aqui hoje para encontrar
o Dr. Joseph Kraft que tem uma carreira extraordinária em
patologia e medicina nuclear e conduziu uma das caracterizações mais
extraordinárias de mais de 15.000 pessoas para tolerância à glicose com curvas de insulina que proporcionou grandes descobertas
sobre a extensão, a verdadeira extensão do diabetes no mundo atual. PARTE 1 – KRAFT DESCOBRE
– As origens do trabalho revelador de Kraft em diabetes
– O trabalho dos Drs. Yalow e Berson, que:
. conseguiram marcar radioativamente a molécula de insulina
. descobriram que o Diabetes Tipo 2 é uma doenla de ALTA insulina
. a ortodoxia os rejeita, ainda insistindo erroneamente que diabetes
é um problema de BAIXA insulina e alta glicose…
– A descobeta dos padrões fundamentais de insulina Na hora da aula, quando eu estava
no segundo ano …ele disse “Dr. Kraft, eu tenho uma grande
tarefa para o senhor” “No próximo ano, eu quero que o sr. dê uma
aula completa sobre diabetes…” “…em duas horas”. Eu disse“sim, senhor” Você sabe, isso é o mesmo que dizer
“faça uma cobertura completa da Bíblia em duas horas!” E ele puxou a cortina e disse
“está vendo toda essa gente?” Havia duzentos estudantes lá… Uma das primeiras coisas que fiz foi revisar
a literatura mundial sobre diabetes… …e me deparei com o trabalho
magnífico dos Drs. Yalow e Bersen. Dr. Yalow era um físico, e Dr. Bersen
especialista em Medicina Interna, chefe da seção de radioimunoensaios do hospital militar
no interior do estado de Nova Iorque. Os dois juntos tinham
muita capacidade porque inventaram uma técnica
para marcar a insulina. Entretanto, não havia um padrão mundial.
Havia uma companhia sueca, uma companhia farmaucêutica
chamada Pharmaceia que estabeleceu o padrão médico
mundial para insulina. Eu disse “iupiii, lá vamos nós!”
Então começamos a adicionar esse exame… a todos os nossos testes de glicemia e insulinemia Uma vez que eu tinha 500 resultados, comparei
com o que Yalow e Berson relataram É preciso colocar em perspectiva que
Yalow e Bersen estavam nadando contra a maré Os outros [os ortodoxos] disseram “o que vocês
estão dizendo? Há INSULINA em diabetes???” “Vocês não sabem que diabetes
é a AUSÊNCIA de insulina???” …Yalow e Bersen responderam:
“não, nós não sabemos isso…” Essa era a situação deles. Yalow e Bersen escreveram artigos
magníficos que foram rejeitados… …pelas melhores instituições
de publicação do mundo. Por causa da imensa resistência à ideia
de que em uma doença de baixa insulina na verdade se pode ter elevada
presença de insulina? Sim… Eles não sabiam explicar o papel da insulina
na doença a ela relacionada eles não tinham
a mínima ideia do que era… Se colocarmos em perspectiva o tamanho
relativo de uma molécula de insulina… …seria como um amendoim comparado a
um elefante, e eles tinham que achar um modo de mensuração, então
designaram ‘microunidades’. Então foi isso, foi bem interessante. Então fizemos cerca de 500
exames [de tolerância insulínica] em todo tipo de gente, com as mais
variadas anomalias na tolerância à glicose Estávamos usando os padrões da
Associação Americana de Diabetes. Então eu levei uns 500-600
resultados de exames para casa… …classifiquei-os de acordo
com os padrões de resposta insulínica, porque havia certas diferenças
específicas ocorrendo ali, então… começamos a comparar os resultados – estávamos nadando contra a maré
também – sabíamos disso. Porque tínhamos apresentado anteriormente num
congresso e disseram “doutor, não é assim” “Os planos de saúde não vão aceitar
isso”, e eu disse “sim, mas…” “Os planos de saúde é que vão
determinar nossa prática médica?” Silêncio. E ficou nisso… Quando tínhamos os 500 resultados,
coloquei-os lado a lado… …e apresentei um estudo a convite
de George Stevenson – era um… Não sei o nome do evento, mas era um
grande congresso em Washington DC A maioria dos participantes estava interessada
em procedimentos laboratoriais e… nós apresentamos o nosso, e foi um sucesso.
Foi um sucesso – as pessoas gostaram da ideia… Gostaram da ideia, então… prosseguimos
e publicamos aquele estudo. Então, após mais alguns meses, tínhamos
mais de mil procedimentos como aqueles… Apresentei outro no Congresso da Sociedade de
Patologia de Illinois e, pasme, eles gostaram – assim eram dois; e o que
finalmente sucedeu foi que… os exames…identificacaram a característica
definida e sequência de padrões E foi então que tivemos a ideia de
classificá-los de acordo com os padrões Ninguém sabia qual deveria ser o valor
ideal da insulina em jejum. Como seria possível saber? A
cada exame se obtinham diferentes resultados de
diferentes partes do país… Tivemos respostas iniciais muito boas, a Sociedade Americana de Patologia
Clínica quis que eu preparasse treinamentos, eles tinham dois grandes encontros
por ano, na primavera e outono), então começamos a dar os treinamentos,
e fez muita diferença… As pessoas estavam começando a reconhecer que
sim, que era lógico e que podia ser assim… O tempo todo eles tinham uma coisa em
comum, eles diziam: “os planos de saúde não vão querer pagar, eles acham ridículo”.
Eu disse “OK, eu acho que os planos de saúde então vão ditar como devemos
praticar medicina?” Sim, eles vão. Então, a coisa ficou assim…! PARTE 2 – A VERDADEIRA CAUSA
– A aplicação clínica dos padrões insulínicos:
. conduzida pelos membros da comunidade médica de otorrinolaringologia
. hiperinsulinemia causa zumbido no ouvido, Doença de Menière e enxaqueca
– Os endocrinologistas e diabetologistas:
. parecem não compreender que a hiperinsulinemia é a causa central
. parecem não perceber glicose elevada é um sintoma
– Questões com a Associação Americana de Diabetes
– Introdução à obra de referência de Kimmelstiel Havia grandes lacunas em “como isso [o exame de insulina]
repercute clinicamente” [i.e. sua aplicação prática] Havia o grupo dos
otorrinolaringologistas que estava muito interessado em perturbações do
equilíbrio corporal [enxaqueca, doença de Menière, etc] Um dos líderes no assunto era o Dr. Updegraff, do interior
de Nova Iorque, que tinha extensa prática com pessoas com hipoglicemia, hiperglicemia – o que
quer que fosse. Ele pegou meu artigo… e disse “temos que fazer isso aqui”. Então fizeram
e sabe o que descobriram? Ele disse que descobriram que praticamente todos os pacientes que tinham
glicemia elevada também tinham insulina elevada e eu disse “puxa, que ótimo”. Então ele apresentou
estudos no exterior como membro do grupo de médicos de Engenharia Anatômica – que consistia na maioria
em otorrinos dedicados a perturbações do equilíbrio Eles eram pioneiros nisso,
não tiraram da cartola… Mais adiante esses médicos disseram “estamos
encontrando os mesmos problemas que vocês nos EUA”… Os endocrinologistas dizem: “isso é uma bobagem…” Os diabetologistas dizem: “eles não
sabem do que estão falando…” Então aqui estamos… esse é um dos
obstáculos que surgiram. Os otorrinos eram os líderes nesse campo,
e têm meu reconhecimento por isso. Porque, sem eles, não teríamos nada. Nada com
relação aos detalhes dos parâmetros clínicos. Acho que o Dr. Kenneth Brookler
também, grande amigo seu, acho que ele disse que 98% ou mais de seus pacientes que são pessoas com problemas no ouvido
interno são hiperinsulinêmicos em algum grau então é uma causa importante
para esse problema também. Sim – digo uma coisa, ele foi uma das nossas
vozes mais fortes, ele é muito articulado, muito seguro do que está dizendo, e muito convincente. Ele começou a insistir nisso também [no poder
e especificidade da curva de insulina] Alguns outros otorrinos envolveram-se nisso
Havia o Dr. Shulman no interior de Nova Iorque, também um médico de Nova Orleans… A coisa estava começando a andar,
mas muito lentamente… O que ocorria era que… havia uma falha de comunicação… …sobre o que constitui a condição diabética. A Associação Americana de Diabetes
queria distância do assunto Eles são muito bons na pesquisa
deles, e têm a maior afiliação não-médica – a maioria dos membros
e colaboradores são leigos – do que qualquer outra organização nos EUA, …de verdade. É tão popular, toda
a condição de diabetes, porque as pessoas percebem as consequências.
Há os pacientes com problemas cardíacos, há os pacientes com preoblemas de pressão alta,
há os pacientes com problemas de visão… [e amputações] Sim. Houve pessoas que insistiram, apesar das descobertas de Yalow
e Bersen, que isso não era algo real. Em outras palavras, você tinha que
iniciar pela ‘premissa muito importante’ de que Diabetes Mellitus era hiperglicemia
[i.e. glicose elevada]. Havia um médico, eu acho que era austríaco… Dr. Kimmelstiel, que veio para os EUA. Ele estava trabalhando no laboratório
do Hospital Geral do Massachussets e ele tinha um caso de amor com
os rins – quero dizer ele os havia estudado de cima a baixo,
e tudo o mais, e ele conduziu análises de microscopia
eletrônica e descobriu o seguinte: ele estava encontrando o que ele considerava
achados definitivos de diabetes em certos casos de doença renal, muito embora
as pessoas tivessem (aspas) “glicose normal”. Existe uma condição clínica chamada
Doença de Kimmelstiel-Wilson, que é mais ou menos o
parâmetro clínico… Na verdade, isso é bom, porque aquele
ponto muito importante no seu livro, aquela observação, e estou me
referindo a apenas uma delas, é de grande importância… “O dano começa antes da hiperglicemia”… Correto. Mas nas pessoas, muito antes, o metabolismo
dos carboidratos estava anormal? Sim. Antes de se tornarem hiperglicêmicas? Sem dúvida. Esse é um fato muito
importante que veio à tona e o Dr. Kimmelstiel salientou isso TAMBÉM
– que está sendo ignorado [a percepção fundamental] mas eles dizem “o que é que ele sabe”
– “ele é só um patologista”. Porém é um ponto crucial, porque
mostra que antes da hiperglicemia a lesão aos capilares já está estabelecida. Exato… Mas esse ponto imensamente importante,
como muitas outras coisas, eu suponho, está sendo simplesmente
deixado de lado Não se encaixa com o paradigma
“hiperglicemia é diabetes”. Exato, exato… Acredite ou não, isso existe ainda hoje. É inacreditável! Isso existe ainda hoje… Há muitas classificações diferentes
do estado metabólico nas quais se alteraram os valores de
resposta glicêmica em jejum. PARTE 3 – O EXAME QUE REVELA
– O enorme iceberg do diabetes
. você precisa do exame de Kraft para identificar e solucionar
– A causa primária da aterosclerose
– A ‘cura’ de baixo carboidrato
– Detalhes da “versão de 2 horas” do exame de insulina
. acima de 40 µU/mL é diagnóstico de diabetes
. acima de 30 µU/mL requer as 3ª, 4ª e 5ª horas para diagnosticar Kenneth Brookler Ele é um especialista em tudo…! Ele também é um cara muito simpático,
vou encontrá-lo na próxima terça-feira. Excelente – diga-lhe que mandei um alô! Certamente! Uma coisa a ser percebida também
é o quão prevalente é a hiperinsulinemia Eu acho que as pessoas não se
dão conta que entre 15.000 pessoas apenas cerca de 2.500 são
realmente euinsulinêmicas, não estão apresentando uma
resposta problemática, é inacreditável! E a coisa vai numa direção,
que as pessoas pensam “é óbvio que os diabéticos têm
taxas mais altas de doença cardíaca”, “mas há um monte de gente que
não é diabética e tem doença cardíaca”. Mas a realidade é que, se fossem
examinadas adequadamente… Você descobriria que sim. Tem algo de muito significativo a respeito disso! Acho que estamos escalando uma montanha, mas pegando gente interessante
ao longo do caminho Espero fazer as pessoas se interessarem
o suficiente para continuarem falando sobre isso… Você está indo bem, e você também, mas alguns do médicos com quem
conversei disseram “Joe…” “as pessoas não querem ouvir
que estão com diabetes!” No seu exame de tolerância à glicose
com curva insulinêmica, o que achei fascinante, e fiquei
supreso com os dados no seu livro, das 15.000 pessoas, em torno de 75%
com tolerância normal à glicose, na verdade tinham uma
alta resposta insulínica, o que, como o senhor
acertadamente diz, significa essencialmente que
elas estão diabéticas. Se tiver uma elevada resposta
insulínica à glicose, você está diabético. Muito embora a vasta
maioria dessas pessoas jamais será classificada como
diabética pelos exames usuais. Inclusive eu. O senhor teve resultado positivo no seu próprio
exame algumas vezes na sua vida, não é? Sim… Como posso sair por aí dizendo às pessoas “você
tem uma anomaliazianha na sua glicose” – e elas não têm diabetes –
mas eu mesmo tenho e tenho arteriosclerose dos vasos coronários,
a carótida interna está com oclusão primária então eu disse, para mim é o bastante…
…definitivamente. Certo Kevin? [você está ótimo, papai] Obrigado… O senhor esteve ocasionalmente
diabético de acordo com o exame apropriado e
ocasionalmente não. Então é possível entrar e sair
do diabetes, qualquer pessoa pode… Sim. Eu acho que o senhor associou o ocasional excesso
de 3 a 5 kg a cada vez que teve um resultado positivo? Sim. Então o senhor conseguiu
correlacionar esses fatores. Sim. Eu não tenho conhecimento ou coragem suficientes
para fazer qualquer tipo de avaliação a respeito de gestão nutricional. O motivo é que há tantas
autoridades em conflito …”uma melhor do que a outra”
e assim por diante, que… Eu não saberia onde parar – não
saberia por onde começar. Então… …é isso. O que é interessante é que
o senhor teve pacientes do início dos anos 1970… Os padrões 2, 3 ou 4
essencialmente indicam diabetes, há uma alta resposta insulínica à glicose, uma resposta insulínica prolongada. Sim… E com esses pacientes
com resultado positivo, se reduzissem carboidratos na dieta
por um período prolongado, essencialmente era possível
desativar a diabetes in situ? Então o senhor observou que
era possível prontamente modificar o estado diabético? Nós esperávamos que as pessoas seguissem
nossas recomendações, só isso! Porque aqui lidamos com um
elemento altamente incerto… Chegavam pessoas que estavam em uma dieta
de alta gordura, não sei como se chama isso… Dieta Pritikin? Acho que era Atkins, que era
uma das mais famosas. – Dr. Kraft, mas eu pensava que a gordura
saturada entope as artérias. O quê? A teoria de que ‘a gordura saturada
entope as artérias’… Bem, esse negócio de ‘entupir as artérias’
– isso não é´algo que tenha sido demonstrado. É um conceito, que eles acham que vai explicar a posição deles com relação à interpretação
e manejo da doença cardíaca. Como o Dr. Brookler salientou, é preciso fazer o exame corretamente,
por no mínimo 2 horas, ninguém quer fazer o de 5 horas, e o que o Dr. C – um dos meus
médicos, era o meu estatístico… um desses gênios que conseguem fazer
números saltar e tudo mais… ele salientou que as
alterações insulínicas… …têm um valor específico para
ligar e desligar, mas ele disse que um dos melhores marcadores de todos
os exames – é a insulina após 2 horas e o que acontece se a insulina não estiver elevada? então se faz o exame de 3 horas para
ver se ela está em platô antes de diminuir.
Essa foi uma descoberta significativa. Ele me disse que o número que podemos
usar, no nosso entender da coisa, é que se a insulina, após um
exame de 2 horas de tolerância à glicose, estiver maior do que 40 [microunidades/mL]
é diagnóstica [de diabetes]. E se estiver apenas acima de 30?
[microunidades/mL ou µU/mL] Bem, daí é preciso olhar a 4ª e 5ª horas
para ver onde estava antes do platô, e aí estava a diferença… PARTE 4 – DESCOBERTA DURANTE A GUERRA DA COREIA
– Autópsias em jovens soldados da Guerra da Coreia:
. incidência extraordinária de aterosclerose focal
. técnicas excelentes de autópsia das forças armadas americanas
– Discussão sobre o septo cardíaco interventricular
. os minúsculos vasos do centro de controle rítmico cardíaco
. exposto à hiperinsulinemia, exposto ao dano Quando o General cirurgião requereu as autópsias
nos jovens da Guerra da Coreia… eles não sabiam o que iriam encontrar
– mas sua descoberta foi particularmente notável de alta incidência de atero / arteriosclerose
focal – foi uma magnífica [descoberta]. As forças armadas tinham uma técnica
muito especal, na qual de alguma forma… conseguiam visualizar todos os vasos
cardíacos, inclusive os estreitos capilares… que elucidariam algumas alterações que
ocorreriam no interior do septo IV [do coração]. Foi extremamente interessante, e importante,
porque aí é exatamente… onde a hiperinsulinemia atinge e age. Então não é apenas nos vasos principais, a hiperinsulinemia afeta os vasos
menores do músculo cardíaco similarmente? Sim, correto. E os cardiologistas
não aceitam porque… desconhecem anatomia
patológica em autópsia. PARTE 5 – PATOLOGIA
– A patologia fundamental do diabetes:
. é vascular / arterial – até oftalmologistas podem diagnosticar
– Concepções da Associação Americana de Diabetes
. a pesquisa deles é defasada – negligencia o diagnóstico preventivo
. a hemoglobina glicada (HbA1c) é uma ferramenta diagnóstica tardia
– A morte de pessoas proeminentes por ataque cardíaco
. jamais diagnosticadas com a doença diabética causal A patologia fundamental do
diabetes é vascular. E o que isso envolve? Envolve cada
capilar, cada pequena artéria… cada artéria principal, e assim por diante.
Todas têm envolvimento potencial. Quando o grau de involvimento é
excessivo, algumas coisas acontecem. Por exemplo, é por isso que oftalmologistas dizem “podemos diagnosticar retinopatia diabética antes
que surjam alterações” [na glicemia] Eu digo “claro que vocês podem –
O que vocês dizem aos pacientes?” …dizemos: “você pode estar diabético”. “Faça um exame de tolerância à glicose
para descobrir…” ou algo assim. Meu próprio médico, o qual respeito
muito, diz que ele não pode dizer a seus pacientes
que eles têm diabetes, quando a glicemia está
apenas ligeiramente anormal. Eles recebem um excesso de
educação pela TV aberta… e tudo mais… Ele diz que é um palavrão, diabetes? Quer dizer, não poderia
ser pior doque isso! É assim que o público foi
educado com relação a isso. Deixe-me dizer o seguinte
sobre a Associação do Diabetes… ela possui a maior afiliação não-médica do que
qualquer sociedade médica no mundo inteiro. Cada um pode ser um pequeno contribuinte, mesmo
pequenas contribuições totalizam grandes cifras, o que é responsável por boa parte
dos recursos para pesquisa. Eu considero a pesquisa deles muito defasada. Entre os elementos que eles abordam há
algumas informações que seriam importantes, mas não são relevantes no que eu considero
como o diagnóstico laboratorial preventivo [do diabetes]. Por exemplo, a hemoglobina glicada [HbA1c]
fracassou como tal [diagnostica tardiamente] porque ela simplesmente não se mantém
[como uma ferramenta diagnóstica de precisão]. São realmente muito tardios, quero dizer,
procurar por Diabetes Mellitus, tolerância à glicose ou níveis elevados de
glicação da hemoglobina… No momento em que se chega ao estágio
de diagnosticar, com esses resutados estando elevados a doença já está muito avançada, você pode
estar com diabetes in situ há uma década! Exato. Esse é´um ponto muito importante
– e a patogênese inicia bem cedo… A patogênese [dano arterial/vascular]
– inicia muito cedo…! e é por isso que estou tentando
convencer as pessoas, Façam o raio do exame – o que
vocês têm a perder? Se der negativo, ótimo!
Continuem assim! Se der positivo, é possível
fazer algo a respeito… É realmente… Eu mesmo como
engenheiro, quando li o seu livro, fiquei surpreso, porque os
dados falam por si mesmos. É tão clara a diferença entre uma
resposta euinsulínica normal com uma curva baixa de resposta
insulínica aos 100 g de glicose, Sim. e então há uma multiplicidade de padrões
de respostas insulínicas elevadas. Mas todos são claramente diferentes. Sim, são…! Então uma vez que você faz o exame,
e possivelmente o de 2 horas possa ser um indicador razoável,
uma versão mais fácil, mas de qualquer maneira, você
saberá se você não está diabético ou se você tem fisiologia
diabética. Sim. E então é possível agir. Eu acho que hoje em dia está
se tornando mais claro para muitas pessoas ao redor do mundo que o excesso de carboidratos
estimula a secreção de insulina e tende a conduzir a esse estado. Então as pessoas podem efetivamente
perder peso, reduzir a carga de carboidratos, e se tiverem feito seu exame,
podem agir e se corrigir. É uma pena que que
possam passar 10 anos sendo essencialmente diabéticas,
com o dano vascular que isso acarreta, e então eventualmente
serem diagnosticadas por medição de glicose,
mas será tarde demais! É essa a sua frustração? Nós vemos isso de vez em quando com
alguma pessoa proeminente na televisão …que se exercitava, cuidava o peso… …dizia-se que tinha boa química
[bons resultados de exames]… …e bingo! Teve um ataque
cardíaco súbito. E morreu. Como é que você vai convencer alguém
que essa pessoa tinha patologia diabética?? Vou lhe dizer: ninguém. Porque – “podia ter sido eu
– Não quero saber…” Então, eu acho que isso é uma parte. Então, quando uma pessoa proeminente
sofre um ataque cardíaco… chama muita atenção… Mas a patogênese nunca é mencionada
– absolutamente nunca mencionada… A medicina moderna nos deixou
na mão, em certo sentido, por não buscar uma compreensão
da patologia do diabetes e de sua ampla prevalência, por
não submeter as pessoas ao exame que pode identificar que elas têm esse
problema, antes que sofram um ataque cardíaco? Acho que sim, mas lembre-se que minha
resposta é a de um patologista: na ausência de informação
patológica geral, onde é que uma pessoa tem
algo para se segurar? Não tem nada. Antigamente, a autópsia
era um pilar da medicina. Agora não é mais. PARTE 6 – PERDEU-SE A AUTÓPSIA
– Pulamos a explicação de Kraft sobre por que as práticas de patologia caíram em desuso nos anos 1970:
. disputas legais em torno das licenças causaram um embargo de 5 anos
. quando a situação foi resolvida, o estrago estava feito
– Retomamos a partir da autópsia cardíaca
. hiperinsulinemia pode causar dano aos microvasos cardíacos
. a arritmia resultante pode desencadear disfunção cardíaca irreversível
– Revisitando Kimmelstiel
– A esperança futura está com os patologistas forenses Porque a patologia, durante os anos 1970,
começou a morrer enquanto ciência, na medicina, o que é uma perda imensa,
porque aí é que realmente se aprende sobre o que está ocorrendo em
nível microvascular. Na patologia cadiológica [a falta da
autópsia] era ainda mais significativa, porque com o coração – só
se tem um coração – e ele só pode ser seccionado em um
determinado número de maneiras – pode-se fazer microtomia e tal, e
cada um conduzia diferentes testes, mas somente quando se descobre algo que
parece convincente a você, aí sim – é uma descoberta – e pode ser algo minúsculo como
somente uma anastomose microvascular no septo [o septo IV intervascular, onde
o ritmo cardíaco é controlado…] Eu não sei o que é que perturba o ritmo [i.e.
que inicia a arritmia], mas em algum lugar do septo existe um delicado senso de direção
e equilíbrio, e bingo – lá se vai! Isso fez sentido para mim [i.e. lesão microvascular
causando ataque cardíaco por arritmia…] mas não se pode convencer as pessoas que estão
estabelecidas na sua clínica médica, do que é a diabetes. Doença cardíaca, patologia
cardíaca – é uma imporante cause de óbitos… …na maioria das pessoas com diabetes. Na maior parte, o diabetes não apresenta
uma patologia clínica identificável. Então a patologia do diabetes é vascular,
em todos os vasos do corpo? Basicamente, sim. E o único problema vascular reconhecido
é nos glomérulos renais? Sim – Kimmelstiel conduziu um estudo
sobre isso – um estudo muito bom Ele devotou a vida a esse
glomérulo [sua especialidade] ele encontrou, sim, exatamente ali havia um
espessamento que é específico [para o diabetes]. Essa, para mim, foi a única descoberta em autópsia
que pode ser associada ao óbito… …de um paciente com diabetes. Isso desassocia todo o resto [falha em conectar
todos os outros problemas com o diabetes]. Os otorrinos como o Dr. Brookler,
e alguns outros nessa área, …foram tão perseverantes com relação a isso que eles descobriram que sim – havia
achados clínicos relacionados à hiperinsulinemia e eles realmente se engajaram nisso.
Isso é num grupo muito limitado de pessoas… É predominantemente considerado
entre membros da Neurologia Anatômica etc. etc. Eu acho que eles se empenham bastante,
mas estão nadando contra a maré… Eu vou fazer mais uma pergunta
sobre o coração. O senhor fez muitas autópsias de coração
e, além da aterosclerose dos vasos principais, o senhor também analisou os microvasos… O senhor acredita que, essencialmente,
aterosclerose dos microvasos causa uma outra forma de
insuficiência cardíaca? Claro, acredito que sim… Porque, na verdade, ninguém sabe o quão
sofisticado é o sistema intracardíaco… Ninguém sabe – o que se faz é
olhar para um monte de músculo, ver o que acontece ali, e ele
prosseguir e viver até 110 anos… e o que se descobre? Não muita coisa. Mas o que se pode descobrir através de
um exame minucioso do septo IV, enquanto os vasos coronários [principais]
não revelam patologia comprovada, pode-se encontrar um certo grau de vasculite
cicatrizada [no centro de controle do ritmo cardíaco] ou um certo tipo de marcas lineares
de etiologia desconhecida…creio eu. O que é preciso que ocorra no septo IV
para causar alguma perturbação no seu ritmo? Eu não sei – mas não seria preciso
muita coisa – pois uma vez que seja perturbado, ele pode permanecer assim, e pode
não ser possível trazê-lo de volta ao normal. Então, para continuar investigando,
seria preciso fazer microautópsia detalhada de muitos corações, tanto saudáveis
quanto com esse problema, para tentar estabelecer uma relação? Mas, infelizmente, a patologia, como o senhor diz, uma autópsia do coração
de alguém que morreu há 30 ou 40 anos… Há uma grande oportunidade nas
pessoas que estão realizando patologia forense Entretanto, na minha experiência, é difícil
que pessoas principalmente interessadas em em patologia forense se interessem
em um assunto da importância do diabetes. Porque são eles que ainda vêem
uma boa quantidade de autópsias – eu sei disso porque assim é que é… … e cada vez que uma é realizada, acrescenta
algo ao conhecimento de alguém. Agora, como isso pode ser… unificado? Não sei.
500
17:46:38,936 –>00:43:57,200
Mas como você vê, é isso que está faltando.
É isso que está faltando. A unificação dessa peça crucial do
quebra-cabeças… Correto. A integração da clínica e da anatomia patológica. Na medicina moderna, por alguma razão,
tudo parece se dividir diretamente para as especialidades, então há os grupos de interesse, há as indústrias
que criaram imensos canais de renda com base em certas visões de mundo Oh yeah… Não tenho certeza, mas acho que talvez,
de volta ao que o senhor disse que se o público tiver mais consciência
dos fundamentos de como a coisa funciona de verdade, talvez ocorra uma reviravolta, e
as pessoas voltem a se focar… Quando isso acontecer – se e quando isso acontecer,
só poderá ser através da graça do Nosso Senhor, porque quem é que vai fazer a conexão?? PARTE 7 – O DESPERTAR DO PÚBLICO
– O único caminho é através da conscientização do público
. é inútil tentar convencer médicos
– Disfunção erétil peniana (DEP)
. é também mais um sintoma de diabetes
– Diabetes gestacional – a próxima geração?
– Hiperinsulinemia dos jovens – o exame é necessário Você disse algo que é muito importante e eu acho que é desse jeito que
as coisas terão que ser… Você descobriu, e eu também,
que tentar convencer médicos será uma batalha muito lenta,
cansativa e frustrante… Entretanto, se for possível despertar
o PÚBLICO para isso – iupiiii, daí a coisa vai! Porque há estudos muito bons em
andamento com jovens, testando suas insulinas em jejum,
e testando também a hemoglobina glicada
[o exame de sangue de HbA1c] porque eles não encontram – o que é
decepcionante para eles – que embora os valores [de glicemia] em jejum
estejam baixos, verdadeiramente baixos, ainda assim eles têm a patologia
[doença/dano] do diabetes. Porque não é ali que vão encontrar [o exame de
resposta insulínica é necessário para diagnosticar]. Pois é, a especificidade
da insulina em jejum é simplesmente… Eu acho que no início do seu livro
o senhor estabelece a premissa de que “Os valores de jejum na verdade
NÃO fornecem informações significativas” Não, não fornecem. É preciso obter a resposta dinãmica
após a ingestão de glicose. E, então, é tão claro,
torna-se inequívoco, ou você tem uma resposta normal,
ou você tem uma resposta anormal. E o aspecto fascinante é, obviamente,
que as pessoas com tolerância normal à glicose, na verdade talvez uns 70% delas, podem
ter uma resposta hiperinsulinêmica, mas o resultado normal de
tolerância à glicose indicaria que, aparentemente, elas estão bem,
mas elas não estão. É. Eu acho que o senhor está certo. O público… eu acho que membros
interessados, com conhecimento técnico do público precisam obter as informações e começar a perceber que há muito mais do
que aquilo que é compreendido pela profissão médica ortodoxa, especialmente em torno da
hiperinsulinemia. É por isso que eu acho que poderíamos insistir
a respeito da Disfunção Erétil Peniana (DEP). Porque, imagine só, 20 milhões neste
país, 20 milhões ao redor do mundo, são 40 milhões de pessoas que eu considero
clinicamente, nesse momento, no mínimo pré-diabéticas e que poderiam ser definitivamente diagnosticadas
com a patologia [lesão vascular diabética] com o exame apropriado de tolerância oral
à glicose e curva insulinêmica. Seria preciso algo assim para pegar algumas pessoas… explodiria aí.
Mas eu não sei como fazer isso… Você vai estar por aí por
muito mais tempo do que eu…! Precisaríamos de um dignóstico para
as mulheres! Os homens têm a DEP… …mas precisamos de um
diagnóstico para mulheres! Na verdade existe um, porque a gravidez em si causa uma
elevação na resposta glicêmica e o diagnóstico de diabetes gestacional com curvas insulinêmicas, de acordo
com a Associação Americana de Diabetes, marca a pessoa para o resto da vida.
Elas têm que ser periodicamente examinadas para descartar um quadro de descontrole. O mesmo acompanhamento é oferecido aos seus filhos. É difícil convencer algumas
mulheres disso, principalmente porque seus médicos
não compreendem… ..e não falam nada a elas
a respeito. Então… …eu estarei observando vocês de
lá de cima quando isso acontecer!! Tentaremos fazer o nosso melhor! Bem, a diabetes gestacional é algo sinificativo,
e no seu livro o senhor também esclarece que bêbes de peso elevado, associados
com mães hiperinsulinêmicas terão risco aumentado de obesidade e
diabetes durate toda a vida… Sim. Essa descoberta não é minha, é uma
conclusão da Associação Americana de Diabetes. Eles simplesmente fizeram uma
revisão estatística – só isso… É uma grande incógnita em que as estatísticas
se basearam – para que pudessem agir. Sim, e são apenas estatísticas
associativas também… Enquanto que o que eu aprecio no exame
de tolerância à glicose com curva insulinêmica é que ele é tão preciso, tão
inequívoco no resultado. Se fosse usado nas mulheres durante a gravidez,
daria diagnósticos precisos de hiperinsulinemia, muito mais do que o usado atualmente. É… Isso poderia convencer o público feminino,
especialmente porque afeta os filhos, o que evidentemente vai preocupar as
mulheres muito mais do que sua própria saúde É… Existe alguma outra coisa,
algum outro diagnóstico, para os filhos, para as crianças que
o senhor poderia mencionar? O Exame de Tolerância Oral à Glicose
também é válido para os jovens, e é um parâmetro importante, porque se vierem a casar com alguém com
significativo histórico familiar de diabetes, é possível prever exatamente o
que aconteceria… Não se pode vencer as probabilidades –
as probabilidades são poderosas… as probabilidades são poderosas… PARTE FINAL – A SOLUÇÃO
– Padrão 1 a vida toda com doença cardiológica severa?
. “Eu gostaria de examiná-las”
– Como a pessoa comum está sendo educada?
. as propagandas dominam, confusão de dietas
– Colocando o Diabetes Tipo 2 em remissão:
. redução de carboidratos deverá ser a futura estratégia A ideia de que essencialmente
a hiperinsulinemia, através de uma resposta insulínica ruim
de tolerância à glicose, seja a causa primária da aterosclerose… Muitas pessoas me dizem “sim, resistência insulínica
e hiperinsulinemia são UMA das causas”, mas daí, fica muito nebuloso, porque
supõe-se que há várias causas para aterosclerose Há tantas supostas causas, é tão confuso,
mesmo após 50 anos de estudos… Mas a primeira evidência convincente
com que eu me deparei gira em torno da hiperinsulinemia. Sim… O que o senhor pensa sobre outras causas em pessoas que foram euinsulinêmicas
durante a vida toda? Elas realmente podem ter
aterosclerose avançada? Eu gostaria de examiná-las. É preciso chegar a esse ponto… E você se pergunta,
isso é possível? Em teoria, tudo é possível, mas… Eu não sei do que se trata isso – e não creio que alguém tenha identificado
algo de espcífico tampouco… Claro… Não que eu saiba… Eu procurei, e devo dizer que… também não encontrei nenhuma evidência
de que em alguém que seja euinsulinêmico de acordo com o seu exame… o pequeno percentual da população
que é realmente euinsulinêmico… também não encontrei nenhuma
evidência de que estariam expostos a aterosclerose significativa. Não sei sobre você, Jeff… Você terá que se submeter ao exame do
Dr. Kraft para responder a essa pergunta… É possível ter aterosclerose severa quando sempre se teve uma resposta
euinsulinêmica saudável à glicose? Eu adoraria saber a resposta… Eu também… Kevin e eu refletimos
sobre isso diversas vezes… Onde é que o cidadão comum em Chicago
recebe educação sobre diabetes? Chegamos a esta conclusão: é nas
propagandas que assistimos… “Este é´um catéter perfeito”, “Aqui tem um e você só precisa
de uma gotinha de sangue…” “ele vem com sua data de
nascimento e tudo mais…” …e em quem votar! Mas é um verdadeiro dilema… Meu grande amigo internista, com
sub-especialidade em geriatria, ele disse “meus pacientes não querem ouvir que
estão com diabetes – ou só um pouquinho de diabetes!” Eu acho que o problema agora também
é se as legiões de diabéticos forem identificadas, através do exame correto, o seu exame, o que se dirá a eles? E muitos médicos não
terão conhecimento da solução através da dieta, então essa é mais uma lacuna… Exato… Eu acho que o senhor mencionou antes,
o senhor falou sobre Atkins e a dieta de alta gordura… Há uma
ciência que está emergindo agora, e há muitos médicos tratando diabéticos tipo 2
com dieta de baixo carboidrato e colocando a doença em remissão em
enormes percentuais de pacientes, mais de 90% dos pacientes estão deixando de
usar insulina após alguns meses de dieta de baixo carboidrato,
é impressionante! E essa é a nova esperança para o futuro também,
é que muitos médicos estão começando a perceber “espere aí, diabetes é a doença de intolerância
a carboidratos essencialmente…” mas as Associações mandam comer “dietas com
bastante grãos integrais saudáveis”, altas em carboidratos para então enchê-los de insulina! Mas na verdade, só é preciso reduzir
enormemente os carboidratos da dieta para a doença recuar… Na próxima década isso
também poderá avançar… “Aqueles com doença cardiovascular
que não foram identificados com diabetes
simplesmente não foram diagnosticados.”


69 thoughts on “KRAFT – Father of the Insulin Assay

  1. Thanks, Ivor. I read Dr. Kraft's book at your suggestion and was left dumbfounded. However bad we thought the T2D epidemic was, it's even worse.

    It also means that advising a carbohydrate restricted diet would be correct 70% of the time.

  2. What an incredible man. And what a wonderful interview. Have read Dr Kraft's book on the Diabetes Epidemic and it draws some very important if deeply worrying conclusions. Keep up the good work.

  3. How do the 6 types interacted with the various types of reactive Hypoglycemia? I know a. Mother and daughter who have similar reactive hypoglycemia symptoms. How could this be Useful?

  4. How do the 6 types interacted with the various types of reactive Hypoglycemia? I know a. Mother and daughter who have similar reactive hypoglycemia symptoms. How could this be Useful?

  5. How much environment damage, how much miss-allocation of resources have gone into grass seed production world wide in the last 50 years? That investment could have gone into sustainable biodiverse real food production freeing billions of people.

  6. Oh my! Are you telling us that right when the diet-heart hypothesis and pro-carbohydrate diet was being pushed onto us all (in spite of massive medical resistance) for the 'surge in heart disease, they were no doing autopsies to confirm cause of death?

  7. Absolutely brilliant! Thanks Ivor for the interview and posting. Dr Kraft you have provided the evidence. The ground swell is happening and you are correct it is happening at the person to person. I'll pass on the baton! Heard the message loud and clearly understood! Very grateful.

  8. Portuguese Subtitles now available 🙂 Simply choose from 'settings' button at bottom right of screen. Thanks so much to Isabela Dengani-Schmidt for this great work, and Dr. Jose Carlos Souto for helping make it happen !

  9. amazing video i will purchase his book, if only people woke up to what was happening then, then my wife hyper-insulimea would have been better managed.

  10. Haven't taken the test, but have taken action. Extended intermittent fasting and low carb. Thanks Ivor!

  11. Why the hell didn't he measure the blood sugar too on those patients it would have reached such better conclusions.
    Knowing both where the insulin levels were and what effect they had on glucose.

    But a very lovely interview indeed, seeing a very interesting conversation with a 95 your old man reminds me of my own grandfather.

  12. Right … they we curing diabetes with LCHF prior to the discovery of insulin .. circa 1920's and Dr. Eric Westman is still doing it today, and using the forgotten techniques before BigPharma/Chemistry … and many LCHF doctors are curing all inflammation and many auto immune diseases today to include cures and control of cancers …Consequently I am not surprised with Dr. Kraft's results, as swimming upstream is very hard in his world … many professors are also stifled …Clear case where the AMA, NIH, and FDA have failed the patient …70 Going On 100 … the Centenarian Diet

  13. I can understand Dr. Kraft's frustration and swimming upstream … Simple … The AMA (the most powerful lobby in Washington) and NIH have failed the patient … Physicians have abandoned the nutritional approach to patient diagnostics and medicine, simply because they are not trained in nutrition. A key part of the Hippocratic Oath … “I will prevent disease whenever I can, for prevention is preferable to cure… “, has been forgotten … 70 Going On 100 … the Centenarian Diet

  14. I think one they took fat out of the food and added sugar that was the number one cause for diabetes that's my opinion raising sugar and taking away fat

  15. to funny…man thinks with his penis…I enjoyed this thank you Ivor. great job with captions. I love seeing problem solvers and scientists talk.

  16. The difference between these curves bears a remarkable similarity to the response of a spring and damper system to an initial shock.

    http://www.brown.edu/Departments/Engineering/Courses/En4/Notes/vibrations_forced/vibrations_forced.htm

  17. So is the test they suggest called a 5 hour fasting insulin test? Does Quest and Labcorp offer that?

  18. Brilliant, thanks for sharing and thankgoodness we live at a time when ordinary folk have acess the internet to gain knowledge.

    Cheers

    Bill

  19. An eye-opener of an interview- a professionally-made video with clear titling and all. My intention is not to get personal here- but for the sake of science- I noticed that Dr Kraft was plenty fat around the middle and even Dr Cummins was not actually lean. So, is Dr Kraft, esp, at age 95, diabetic? Does he have metabolic syndrome, fibromyalgia, etc? Does he too have trouble giving up all carbs like us, lesser mortals?
    Even if he has all or some or more of all diabetes-related syndromes/conditions, he has lived to be 95, faculties intact, mentally sharp and clear…wow! He is not even wearing spectacles! What a trooper!
    What about Dr Cummins?
    Most important- BIG THANKS, Dr Cummins, for addressing the elephant in the room- what is the solution? Reduction in carbs!
    I was afraid that the interview would close without touching upon that.

  20. Me Sinto Grato e Merecedor destas informações . Obrigado ao Ivo e Kraft . Já compartilhei em minha FAN PAGE. O Mundo precisa saber disso!!!!

  21. This was an interesting interview. You are a pretty good interviewer btw, you let him speak, you didn't interrupt him. You did a good job of preserving his legacy with this. Undiagnosed diabetes is a big deal, bigger than most people realize and this is an important issue. (It's also notable that Kraft said he did not profess to be an expert in nutrition.)

    I'm curious about the actual process of the oral glucose insulin tolerance test. You talk about two hour and 5-hour variations. Is the person who takes the test required to be stationary during the 5-Hour window? I feel like activity, exercise, etc would influence the results. So do they have to stay in bed the whole time?

    Is the oral glucose insulin tolerance test the same test you refer to as SSPG?

  22. I have had all the symptoms of diabetes about 1o years even before I was diagnosed with it about 3 years ago. I constantly went to the doctors for frequent urination, I always fely bad after eating foods high in sugar, I think this doctor is on point.

  23. This was an amazing interview.  Thank you so much for letting us hear from this Dr.   He really is a genius coming up with this test.

  24. How much effort is being put into home insulin testing kits? There are lots of Blood Glucose test kits out there however if these tests are too late the insulin tests need to be more readily available.
    And what is being done to prevent the loading of carbs into the food we buy in the supermarket. What are the business incentives for people like Kelloggs to stop filling their cereals with sugars? (Sorry to single them out but they are the leader in the market). Sugars are addictive so why do they not come with proper health warnings? Why indeed is refines sugar not removed from the supermarket shelves – it provides suger levels way too high to maintain for long in the body.

    We are advised to not give pet dogs refined sugars yet its ok to give children these sugars and so lead them to a potential of heart disease? What is driving that – business? Wow we live in a messed up world.

  25. "What foods should I avoid if I have cancer?"
    This is the single most frequently asked question I get from people with cancer. The answer, of course, is complicated, but controlling your cancer through diet comes down to two principles: controlling your body's oxidation levels to prevent cancer and limiting your sugar intake to prevent metastasizing of cancers.

    There are three causes of diabetes that trigger cancer growth when your blood sugar is uncontrolled:

    1. Fruit juices and sweet drinks.

    A soft drink contains 10% sugar. So in a 1-liter bottle you have just consumed 100 grams of sugar. If you do this three times a day, and do that for 4 days, you have actually consumed about 1.2 kilograms of sugar. That is more than 2 pounds of sugar. It is beyond what the body can metabolize. We are practically growing cancer farms ! .

    2. Oily foods, especially " polyunsaturated " fatty acids.

    Foods and oils with higher amounts of polyunsaturated fats include:

    Walnuts.
    Sunflower seeds.
    Flax seeds or flax oil.
    Fish, such as salmon, mackerel, herring, albacore tuna, and trout.
    Corn oil.
    Soybean oil.
    Safflower oil.
    Canola Oil
    Peanut Oil

    Perhaps the only known oils that do not damage the liver are coconut oil and lard. They are both saturated fats and in chemistry are not subjected to free radical attacks. Put a vegetable oil in the sun, side to side with coconut oil, and in one month the coconut oil remains the same but the vegetable oil will turn to glue. Imagine what happens if this occurs in the body as fats and oil tend to accumulate and stay in your body for a long time. Once the liver is damaged, it can't handle the body's sugars as well.

    3. Wheat products.

    Wheat contains a protein that destroys your pancreas, and studies show that this alone can initiate type 1 diabetes. Now in a cancer patient, if the pancreas doesn't work the blood sugar gets high, but as the pancreas gets destroyed, it can't produce pancreatic enzymes. Without enough enzymes in your system, the body cannot digest the food and we end up having cancer cachexia.

    "" What Not to Eat "" ;
    As for a short list of what not to eat, here is an excerpt from one of my private emails:

    NO WHEAT PRODUCTS , NO CORN PRODUCTS .
    NO fruit or fruit juices , NO Milk .
    NO COFFEE , NO sweet drinks or sodas
    NO sugar or artificial sugars.
    NO corn syrup or fructose.
    NO carbonated water. Plain UN -chlorinated water is always .
    NO vegetable oils …except coconut oil used in cooking.
    NO fried foods.
    NO calcium.
    NO large meals consisting largely of meats.

    On the positive side, do drink plenty of water Do not eat before sleep and no large meals at dinner. Dinnertime is best before 5 p.m. No meals after this. Obviously, no snacks and bakery products. Supplements that reduce blood sugar are helpful, as in glucophage (metformin) twice a day, B3 250 mg three times a day, and vitamin B-1 , 100 mg three times a day . Organic White tea is also important in flushing out excess sugar, while lysine, threonine, glutamine, Vitamin C, proline, tannic acid and perhaps organic green tea can help stop a cancer's progression.

    It is MOST important, though, to get blood sugar below or equal to 90 mg/dL. You have a 97% better survival rate from cancer if you do.

    — Controlling Your Blood Sugar When You Have Cancer —

    My method for checking blood sugar is to do so 1 HOUR AFTER eating food. Most medical practitioners today measure blood sugar based on 12-hour fasting blood sugar, which is the wrong way to measure with cancer. The reason why they are wrong is cancer becomes metastatic after a blood sugar spike ONE HOUR AFTER A MEAL. The cancer becomes metastatic in the second hour.

    Obviously you have to find a cure for diabetes to cure cancer, but in more reasonable terms, if you can CONTROL BLOOD SUGAR not to exceed 110 the cancer simply can't go into metastasis.

    I have found three substances that get blood sugar down, namely:

    N acetyl Cystiene
    Beta carotene (mostly found in carrots)
    Bitter cucumber.

    The Nacetyl cysteine has a long-term effect (which takes about a week) to get blood sugar down, but the quickest is freshly squeezed carrot juice alone or with bitter cucumber. That gets blood sugar down fairly quickly, always less than 110.

    Research circles surmise that diabetes is due to a deficiency in beta-carotene and cryptoxanthin (the yellow pigments in carrot, pumpkins and orange rinds). Beta-carotene is a provitamin of Vitamin A. From my own observation I have found provitamins, or percursors of vitamins, to be far more effective than the vitamins themselves in a few cases, such as panthenol, which is a vitamin B5 of pantothenic acid or beta-carotene for example. These get blood sugar down very quickly and also have a stabilizing effect on blood pressure (in some cases there is no need to take blood pressure medicine if carrot juice is consumed).

    Most people with cancer are diabetic. However, most do not know they have diabetes, even if they did measure their blood sugar. Now, cancerous tumors require sugar and glucose for them to persist, but they REQUIRE FRUCTOSE TO METASTASIZE.

    The best way to stop the metastasis has got to be lysine , BUT WITHOUT THE CALCIUM.

    But the trigger for metastasis cancer is fructose and sugar levels. The facts on this issue of cancer survival are based on a Journal of American Medical Association (JAMA) report, that people who have more than 90 mg/dL of blood sugar have a 97% increased chance of dying. And those with blood sugar below or equal to 90 mg/dL have a 97% greater chance of survival. It's a key fact that people keep overlooking.

    A cancer can reach general metastasis within 2 hours after consuming most fructose, especially in fruit juices of all kinds. Cancer here in Thailand exploded in the past 5 years here, right after national sales of fruit juices skyrocketed. So it's no coincidence that fruit juices, even without added sugar (called sucrose), do contain large amounts of sugars, such as the fructose found in fruits to begin with.

    People tell me how healthy fruits are, and of course they are healthy, for healthy people. What we fail to realize is that research studies assume people with normal blood sugar find them beneficial, and also that in laboratory rats, we prepare fruit extracts, WITHOUT the sugar fructose. Fructose is more dangerous then sucrose, but sucrose is a double sugar that has fructose and glucose built in. The body's insulin merely controls your blood glucose, but has no control of fructose directly allowing fructose, as a Trojan horse to damage the system.

    https://www.earthclinic.com/

    and https://www.amazon.com/dp/1511585625/ref=wl_it_dp_o_pC_nS_ttl?_encoding=UTF8&colid=19UMQ0U06JRA5&coliid=IOS27I6P71B3I

    ….

  26. I think diabetes is capable of causing structural damage at times irreversible. These damages may require more dramatic measures than an ATkins diet. Of course, just my experience, but I see that the degree of weakness varies. Some people can only reduce symptoms limiting carbohydrates, others require a low-carb, at extremes those that the body has strong reactions to any food. I am still a teenager, yet it took several days of fasting to be able to cope with limited amounts of fat; What will happen to the millions who are older and can not count on youth to help in recovery and still are and still receive a medical education contrary to health.

  27. – Magnesium Deficiency Sets the Stage for Plaque in the Arteries —
    A new animal study shows that "low levels" of magnesium promotes plaque formation in the arteries. During the study period magnesium deficient animals developed significantly more plaque in their aortas. The researchers fed rabbits a diet known to produce atherosclerotic plaque. The thickness of artery walls increased 42% in magnesium lacking animals. LDL cholesterol was highest in the magnesium lacking rabbits and lowest in the magnesium supplemented rabbits.

    This study adds further science to the idea that a diet lacking in magnesium sets the stage for heart disease.
    Taking mineral "Magnesium" its good for cortisol and stress.People who are magnesium deficiency have the highest heart disease , heart attacks and Irregular Heartbeat ,(arterial plaque ). Diabetics have magnesium deficiency , elevated blood glucose levels increase the loss of magnesium in the urine, which in turn lowers blood levels of magnesium.” So getting enough magnesium is especially important in diabetes and people who are border line diabetic or over weight . "Magnesium" has been shown to effectively prevent vascular calcification associated with chronic kidney disease. In the animal study researchers tested the effect of magnesium supplements on calcification of arteries. They found that magnesium relieved the degree of calcification with higher doses, offering better protection.

  28. Dr Kraft (1922-2017). He was 93 y.o. at the time of this conversation. What a great interview!
    Thank you for posting. Let's not be comforted by 'healthy blood sugar levels' dig deeper and follow the insulin response.

  29. OMG…..I enjoyed this interview so much…Ivor thank-you for this…in the early 1950’s my grandmother told us “don’t eat sugar it will give you diabetes. I didn’t listen …and she was right…

  30. Just picked up the book after listening to Butter Bob (BB). You channel is also highly recommended by BB, so I've subscribed.

  31. Excellent work in identifying insulin levels are linked to diabetes, not just glucose levels but unfortunately you and Kraft missed the final link. The question is why insulin levels should go up. Insulin levels go up if there is high levels of fat inside the cell, that "clog" the sites to activate the GLUT 4 transporter (Glucose transporter) so sugar can get into cells. This is called lipo toxicity. The solution to diabetes reversal is a whole plant base diet. You can see Kraft being quite overweight and you have dark circles under your eyes. These circles are also signs of fundamental arterial issues. Here is a link how diabetes actually happens. But kudos to you both for letting the public know about the Kraft test – it is wonderful. What causes insulin resistance
    https://www.youtube.com/watch?v=Aw8hufhIDu0

  32. Ivor this is a wonderful interview. You are such a good listener, and so gentle and respectful with your little comment interruptions. Thank you for this amazing sharing

  33. This explains a lot! Some family members had the resulting diseases of diabetes with so called normal (but slightly elevated) blood glucose, and I always wondered if there was a such thing as 'hidden diabetes.' Seems there is . To back away from the diabetes, IR and the metabolic syndrome, we have to pay attention to the insulin levels. I'm grateful for this mans work! Hopefully someday soon, this work will be given the recognition it deserves.

  34. hi ,well done.please see about vitamin c and metabolic syndrome.take care.

    Metabolic syndrome patients
    need more vitamin C to break cycle of antioxidant depletion

    https://www.sciencedaily.com/releases/2019/01/190102193748.htm

  35. Wow, a living legend. Kind of the Dr. to grant the interview, and you handled the interview with grace. Sadly, despite Dr. Kraft's efforts, here we are today, 70% diabetic, killing ourselves unknowingly as we stuff poisons posing healthy bites down our throats. Thanks for your efforts, Ivor.

  36. My. God, this interview is the most incredible thing I have ever seen! It has the potential to save countless lives—but it won’t—at least not yet. But this 4th Generation T2 diabetic is deeply grateful for having found Atkins years ago, and thanks to taking his his teachings as a matter of life and death, I’m still alive now to benefit from current teachings by Dr Kraft and you Ivor, and a growing group of other pioneers. I’ll continue avoiding carbohydrates for the poison they are, and hopefully lead a healthy old age for awhile longer, thanks to. following a Ketogenic diet.

  37. You are one of the best interviewers, Ivor. You really listen. You have done a service to world getting Dr. Kraft on video before he died. Thank you.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *